3 maneiras de aplicar a transformação digital em mineradoras

Transformação digital mineração

|Por Gisele Braga*|

Soluções envolvem segurança do trabalho, cruzamento de dados e rastreamento de produtos, pessoas e veículos; ganhos de produtividade podem chegar a 30%

Os gastos mundiais com tecnologias devem alcançar US$ 1,2 trilhões este ano, um aumento de 17,8% em relação a 2016, segundo projeções da consultoria IDC. A expectativa é de que os gastos avancem em um ritmo de 17,9% ao ano até 2020, chegando a US$ 2 trilhões anuais ao fim desse período. Nesse contexto, a transformação digital ocupa um espaço expressivo e intransferível. Afinal, esse crescimento tem como motivação o ganho de competitividade das organizações. A empresa digital busca aprimorar a experiência do cliente, a eficiência operacional e a produtividade – desafios que se repetem em companhias dos mais variados setores e portes.

Em mineração, o cenário não é diferente. As companhias precisam inovar e, ao mesmo tempo, manter preços competitivos, já que, em tempos de instabilidade econômica, a demanda cai significativamente. Diante disso, a necessidade de acompanhar e mensurar – com precisão – o desempenho dos setores logísticos se tornou um fator-chave. Por meio da transformação digital, é possível reduzir custos, diminuir desperdícios e, assim, aumentar as margens de lucro.

Veja a seguir três soluções que permitem que isso aconteça:

1. Gestão de frotas:  com o uso da tecnologia, a empresa consegue rastrear produtos, pessoas e veículos, tendo à disposição todas as informações de logística e expedição. Aqui na 2S, temos registros de que a redução de erros operacionais e de embarques, propiciados pelo uso da TI e do conceito da transformação digital, podem promover ganhos de produtividade de até 30%. Entre as tecnologias aplicadas a esse segmento estão: Sistema de Planejamento e Sequenciamento Avançado da Produção (Advanced Planning and Scheduling, ou APS), para prever a demanda e a produção; Sistema de Gerenciamento de Armazém (Warehouse Management System, ou WMS), para fornecer a rotação dirigida de estoques e auxiliar no processo de picking; e Identificação por Radiofrequência (Radio-Frequency Identification, ou RFID), para rastrear e gerenciar todo o processo, minimizar erros e reduzir a refação.

2. Segurança do trabalho:  o Brasil ocupa, hoje, o quarto lugar no mundo em acidentes de trabalho, com 700 ocorrências por ano, ficando atrás apenas de China, Índia e Indonésia. O investimento para reduzir o número de mortes é intenso nas indústrias, que, além de campanhas, têm usado a tecnologia para evitar tais incidentes. Nesse sentido, há duas ferramentas importantes. A primeira é a etiqueta RFID, identificação por tecnologia de radiofrequência, que permite checar, antes da entrada do funcionário no local, se todos estão usando os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) necessários, como capacetes, protetores auriculares, óculos e luvas. O acesso só é liberado para pessoas autorizadas e com os acessórios obrigatórios.

A segunda é a integração entre check-in de pessoas e de veículos, alinhamento crucial para evitar choques e acidentes. Se um caminhão estiver transitando e houver uma pessoa na mesma área, por exemplo, uma sirene é acionada para que o condutor da empilhadeira freie e a pessoa possa seguir seu caminho.

3. Logística interna inteligente: com a integração de sistemas e processos, incluindo a monitoração de equipamentos, máquinas e veículos dentro da planta, além do processo de extração da matéria-prima, é possível tomar decisões mais assertivas e em tempo real. A criação de plataforma integrada de gerenciamento e análise de dados permite à empresa uma série de controles: gestão e mapa de infrações de velocidade, registros e alertas de velocidade em áreas específicas e de risco, mapa de tráfego para auxiliar na formação de rotas e gestão do clima, entre outros. Se está chovendo, por exemplo, ou se está acima do limite de velocidade, o motorista recebe um alerta para reduzir o ritmo, contribuindo para a direção segura.

*Gisele Braga é gerente de transformação digital da 2S

Imagem: depositphotos